Imprimir | Fechar

Luzes

Quando se fala em economia de energia elétrica, o item principal de economia em um condomínio é a iluminação:
Elevadores e bombas d'água também contribuem muito para o consumo, mas exigem investimentos altos para a introdução de sistemas mais econômicos.
É com a racionalização do uso das luzes que se tem a melhor relação custo-benefício.
Estas foram as conclusões do Programa Anual Contra o Desperdício de Energia Elétrica, realizado pela Eletropaulo (que serve a Grande São Paulo) em 10 grandes condomínios residenciais e comerciais. A economia obtida foi de até 30%.

Confira as dicas abaixo. Algumas informações foram retiradas do relatório do programa citado acima.

Tipos de lâmpadas

- Incandescentes: são as convencionais, com um filamento que fica incandescente com a passagem da corrente elétrica.

- Fluorescentes: o mesmo que halógenas ou luz fria. Funcionam com a reação química de substâncias contidas no tubo, como flúor e iodo.

- As fluorescentes gastam menos energia do que as incandescentes - uma fluorescente de 40 W ilumina mais do que uma incandescente de 100W, com consumo inferior. Têm vida útil maior, em geral: 10.000 horas contra 1.000. São recomendáveis para lugares onde ficarão muito tempo acesas.

- Luminárias refletoras (para fluorescentes) aumentam a distribuição de luz, permitindo a instalação de lâmpadas menos potentes.

- As lâmpadas de vapor metálico gastam menos que as de vapor mercúrio.

- A vida útil de uma lâmpada é muito reduzida se não tiver a voltagem da rede elétrica. No Estado de São Paulo, por exemplo, a voltagem é de 127 V ou 220 V. Ligar uma lâmpada incandescente para 120 V em uma rede de 127 V reduz sua vida útil a um terço: 350 horas.

Minuterias e sensores de presença

- Minuterias: desligam as luzes do ambiente em um tempo pré-programado. Para o usuário, funcionam como interruptores normais. Há dois tipos básicos: as coletivas (para várias lâmpadas, acionadas por botão instalado junto ao disjuntor que as controla) e as individuais (acionadas por toque). Entre as últimas, há as de tecla, semelhantes a um interruptor de luz convencional, e as digitais, com sensor acionado também pelo toque.

- Sensores de presença: também são chamados de minuteria sensorizada. Acionam as luzes quando há movimento no ambiente. Têm diferentes alcances, geralmente entre 3 e 10 metros, e podem ser instalados no teto ou na parede. Os produtos costumam ser específicos para um ou dois tipos de lâmpadas (incandescentes, fluorescentes, halógenas).

- Sensores de presença tendem a gerar mais economia do que minuterias convencionais. Ambos são usados, em geral, em corredores, escadas e nas áreas comuns dos andares.

- Não é recomendável o uso de minuterias ou sensores de presença para lâmpadas fluorescentes. Elas têm sua vida útil muito reduzida se acendidas muitas vezes.

Garagens e hall de entrada

- Garagens concentram o maior gasto de energia elétrica de muitos condomínios. Recomenda-se usar lâmpadas fluorescentes. Desligar as luzes durante o período de menor uso ou melhor iluminação natural pode acarretar grande economia.

- Em lugares de muito acendimento, como garagens, usar sensores de presença ou minuterias em lâmpadas fluorescentes pode não gerar economia porque reduz a vida útil da lâmpada.

- No hall de entrada, onde muitas vezes as luzes ficam acesas durante toda a noite, talvez não seja necessário deixar ligadas todas as lâmpadas. Deixar algumas ligeiramente desenroscadas, o suficiente para perderem o contato com o soquete, diminui o gasto com energia, deixa o ambiente mais aconchegante e não prejudica a estética do ambiente, ao contrário do que aconteceria com luminárias sem lâmpadas.

- Pintar as paredes com cores claras ajuda a reduzir a quantidade de lâmpadas acesas.

Fuga de energia elétrica (Fonte: Elektro)

- Fenômeno que pode aumentar a conta de luz desproporcionalmente ao consumo.

- Causas: emendas na fiação, fios desencapados e aparelhos defeituosos.

- Como verificar:

desligue todos os aparelhos elétricos das tomadas e apague as luzes, verifique se o disco do medidor continua girando; se continuar e der uma volta em menos de 15 minutos, existe a fuga de energia elétrica, em caso afirmativo, verifique a instalação elétrica; desligue a chave geral: se o disco parar de funcionar, o defeito é na instalação elétrica do imóvel. Procure um eletricista de sua confiança para solucionar o problema.

Elevadores

- Deixar um dos elevadores desligados entre as 22 e as 6 horas. Mesmo parado, o equipamento gasta energia com sua iluminação. E de quebra, evita-se que o usuário chame dois elevadores neste período.

Sistemas que geram economia:

Contra duplicidade de chamadas: Registram as chamadas apenas para o elevador mais próximo do andar solicitante.
Sinalizador de elevador preso: Se um usuário prender o elevador em um andar, com a porta aberta, o dispositivo toca após 15 ou 30 segundos . Pode ser inconveniente em casos mais esporádicos como mudanças, mas no dia-a-dia ajuda a agilizar o trabalho do aparelho, diminuindo a duplicidade de chamadas (um usuário chamar dois elevadores).
Contra chamadas múltiplas: Se uma criança acionou vários botões, o sistema identifica automaticamente quando o elevador parou em três andares sem que nenhuma porta fosse aberta.

Imprimir | Fechar